Biblioteca

Categorias

O uso da rede pública no abastecimento de sistema de sprinklers em edificações históricas

Trabalho vencedor do 7º Prêmio Sprinkler Brasil.
Domingos Sávio Almonfrey e Daniel Alves Zandonadi

Fazer download pdf

Acesse sua conta ou faça o cadastro para ter acesso ao material.

Descrição

Sávio Almonfrey e Daniel Alves Zandonadi, capitães do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Espírito Santo, são os vencedores do 7º Prêmio do Instituto Sprinkler Brasil de Trabalhos Técnicos com o projeto: “O uso da rede pública no abastecimento de sistema de sprinklers em edificações históricas: Um estudo na cidade de Salvador”. A premiação tem como objetivo fomentar a pesquisa científica na área de prevenção e combate a incêndios, além de contribuir para a produção de referências bibliográficas sobre o assunto em língua portuguesa.

O trabalho visa a revelar possibilidades relacionadas à prevenção, retomando os acontecimentos dos últimos anos relacionados à falta de proteção contra incêndios em edifícios históricos. Segundo Daniel Zandonadi, “as ocorrências abriram nossos olhos para novas possibilidades relacionadas à prevenção, visto que a legislação brasileira não abrange o tema do uso da rede pública no abastecimento de sistemas de sprinklers. Com isso, reforçamos a proteção não só às pessoas, mas também aos acervos, patrimônios que devem ser preservados”, afirma.

A atuação em setores técnicos do Corpo de Bombeiros contribuiu para a escolha do tema. De acordo com Sávio Almonfrey, “trabalhamos muito a questão das normativas junto às concessionárias do Espírito Santo referente à oferta de água da rede pública, que poderia ser destinada para veículos de emergência e viaturas. Observei que a oferta em grande parte dos bairros de Vitória também poderia suprir sistemas de prevenção de incêndios específicos, desde que não fossem de alto risco. Entendendo que temos água disponível, compatível com a necessidade do sistema, por que não utilizar?”

Para realizar o trabalho, foram utilizadas referências bibliográficas de normativas brasileiras e americanas, como a NBR 10897, que aborda a proteção contra incêndios por meio de chuveiros automáticos, a NFPA 13 e 24, que falam sobre a integração da rede pública nos sistemas de chuveiros automático, entre outras, além de estudos de hidráulica.

A confiabilidade da rede pública foi uma das questões que nortearam o projeto. “Realizamos alguns estudos e notamos que o percentual de falha é de 0,01%. Existe, apesar de ser baixo. Depois, nos atentamos à demanda de água e pressão. Será que seriam suficientes para atender edificações tão expostas, como os museus? A vazão é satisfatória, mas a pressão não. Porém, pode ser resolvida com instalação de recalques privados, que, infelizmente, ainda não são aceitos pelas concessionárias. Então, é uma maneira de conscientizar os profissionais de que existem outras possibilidades, além de questionar e flexibilizar todos os obstáculos mapeados, afinal, nas três edificações estudadas, conseguimos, com êxito, atender a demanda”, conta Sávio.

Atualmente, Sávio Almonfrey é chefe da gerência de Normas e Cadastros do Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo e piloto de helicópteros Monoturbina do NOTAer. Tem experiência de 13 anos na área de Segurança Contra Incêndio. Já Zandonadi é chefe da gerência de Recursos Humanos do Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo, tendo atuado por seis anos na atividade técnica de Segurança Contra Incêndio.

“Fiquei muito feliz por ter recebido o prêmio, já que se trata do mais reconhecido na área de segurança contra incêndios. Hoje não temos previsto nas normativas brasileiras a possibilidade de interligação da rede pública aos chuveiros automáticos. Contudo, o trabalho trouxe a viabilidade à tona. É dever, não só do Corpo de Bombeiros, mas também de quem estuda as normativas do Brasil, mapear novos caminhos e oferecer alternativas”, completa Almonfrey.

“Acreditamos no potencial da pesquisa e queremos dar continuidade, estudando e trabalhando, juntos à NBR, ao Corpo de Bombeiros e as concessionárias, normas técnicas que viabilizem, em um futuro próximo, o projeto”, diz Zandonadi.

Marcelo Lima, diretor-geral do Instituto Sprinkler Brasil (ISB), diz que a legislação contra incêndios, de uma forma geral, é adequada. “Um dos grandes problemas que assombram nosso país é a falta de mão de obra qualificada, especialmente com formação específica na prevenção e no combate a incêndios. Essa tradicional premiação, que já está em sua sexta edição, está se tornando referência e incentivo a engenheiros, arquitetos, técnicos e outros que atuam nessa área”.

Palavras-chave: Chuveiros automáticos. Rede pública. Museu. Edificações históricas. Incêndio.